2 de abril de 2015

Cobertura de Show - Marty Friedman: Genialidade em nome da música (Batemacumba - Porto Alegre/RS, 22/03)

Cobertura por: Renato Sanson
Fotos: Uillian Vargas


Existem muitos guitarristas mundo a fora, mas poucos de fato se destacam, muitos por sua "extrema" técnica outros por usa arrogância, mas com Marty Friedman é diferente, além do grande apuro técnico o músico é dotado de um carisma e humildade fora dos padrões, e a capital gaúcha pode conferir está lenda de perto.

O workshow foi realizado no Batemacumba, casa não tradicional para shows de Rock/Metal, o que gerou certa estranheza, mas ao entrar no local se percebeu que a escolha foi acertada, pois teríamos um público intimista que se misturava entre fãs e músicos.

Porém antes do show teria o aguardado Meet & Greet com a lenda, onde os fãs adquiriram ingressos especiais para poder conversar, tirar fotos e autógrafos com Marty. E cá entre em nós quem não gostaria de conversar com o ex-guitarrista do Megadeth e fundador do Cacophony?


Nos do Heavy And Hell tivemos a oportunidade de participar do Meet & Greet onde podemos conferir um músico extremamente atencioso e simpático, de fato ganhando os fãs, além de ser bastante comunicativo.

Perto das 21h era hora da lenda subir ao palco e mostrar a que veio, sendo ovacionado e falando alguns palavrões em português no microfone a apresentação se inicia com “Ballad of the Barbie bandits” (onde mostrou todo seu senso melódico) e “Hyper Doom” (com o virtuosismo mais latente).

Em seguida Marty abriu aos fãs o momento perguntas e respostas e apresentou o tradutor brasileiro para os presentes, e de fato perguntas não faltaram e claro que a grande maioria era focada no Megadeth e Cacophony.


Marty respondeu muitas perguntas sobre o Megadeth, como sua relação com Mustaine, a possível volta a banda, os álbuns gravados, mas deixou bem claro, que um retorno seria bem improvável, assim como falou que sim gravou grandes discos com o Megadeth, porém não gosta de olhar para o passado, isso seria não evoluir.

Também respondeu sobre sua relação com Jason Becker, e onde de fato mostrou grande estima, não poupando elogios ao seu companheiro de Cacophony. Também explicou sua certa “relação” com notas exóticas na guitarra, onde falou ficar surpreendido quando é questionado sobre isso, até porque ele não compõe pensando se a nota vai soar exótica ou não, apenas deixa a melodia levar o som, que é o que realmente prioriza.

Seguindo com o workshow Marty priorizou sua carreira solo, mas mais precisamente os discos mais recentes, tocando “Amagi Goe”, “Inferno”, “Meat hook”, “Undertow” e etc.


Ao final um fã pede para tocar algo do Megadeth, Marty não demonstrou muita empolgação, pois segundo ele não tocava as músicas da banda a bastante tempo, porém tocou a intro de “Tornado Of Souls” que deixou os presentes mais do que eufóricos.

Mesmo não tocando nenhum som das bandas que o consagraram Marty deixou todos satisfeitos e encantados com sua pessoa, um músico sem igual, um verdadeiro gênio.

Deixo meu agradecimento especial a Pisca Produtora por trazer mais um grande show ao Sul do país e a Furia Music pelo convite ao evento.


Setlist:

Ballad of the Barbie bandits
Hyper Doom
Amagi Goe
Stigmata Addiction
Meat hook
Inferno
Devil take tomorrow
Undertow


0 comentários:

Postar um comentário

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More